Entrada > Notícias > Entrevista Drº João Barbosa · Mcoutinho

Entrevista Drº João Barbosa · Mcoutinho

PEA

Com início em Outubro de 2018, a parceria entre a Porto Executive Academy/ISCAP e o grupo MCoutinho nasce do reconhecimento de pontos de vista comuns sobre a importância da formação para executivos. Em entrevista ao Doutor João Barbosa, Diretor de Recursos Humanos do grupo, damos a conhecer um pouco desta relação, um exemplo bem-sucedido de ligação entre o mundo académico e o mundo empresarial.


  • Dr. João Barbosa qual o papel que o grupo MCoutinho atribui à formação dos seus colaboradores não executivos?

Para o grupo MCoutinho, a formação é um pilar estratégico na concretização a curto, médio e longo prazo dos projetos que o grupo tem em carteira. Sabemos que o negócio automóvel mudou muito nos últimos anos e sabemos também que a mudança será maior nos próximos, com a possível alteração do próprio modelo de negócio e, por este motivo, é fundamental prepararmos as nossas equipas. Uma preparação usando ferramentas técnicas e comportamentais, para que os colaboradores proporcionem uma experiência única ao cliente, que é a nossa missão e, para isso, a formação tem um papel importantíssimo.  

  • E no caso dos executivos do grupo qual é a atitude dos mesmos sobre a autoformação?

Para o grupo a formação é essencial em todas as funções. Naturalmente, quando enfrentamos uma mudança no negócio onde estamos inseridos, os executivos têm de ser os líderes desta mudança interna, porque são eles que conseguem preparar a organização, juntamente com os seus colaboradores, para a direção mais indicada. É costume dizer-se que o exemplo vem de cima e nós aqui no grupo somos praticantes dessa mesma ideia. 

  • Que tipo de prestação de serviços tem feito a Porto Executive Academy e o CEISCAP ao grupo?

Mais do que um prestador de serviços, a Porto Executive Academy/ISCAP tornou-se um parceiro. Trata-se de uma relação que se iniciou recentemente, em 2018, e que tem vindo a crescer. Neste momento temos dois projetos em curso, um projeto que tem a ver com a formação às funções de enquadramento do grupo, dando formação comportamental em diversas áreas, e um outro projeto mais abrangente que envolve todos os colaboradores do grupo, proporcionando formação na área da informática, nomeadamente naquilo que é o Office. Relativamente à formação “não marca”, pois grande parte da formação que nós temos é proporcionada pelas marcas que representamos, a PEA/ISCAP é efetivamente o maior parceiro que o grupo tem.

  • Qual o grau de satisfação que o grupo MCoutinho vem retirando desta ligação à PEA/ISCAP?

O grupo está muito satisfeito com esta parceria, não só pelas mais-valias que estamos a ter enquanto grupo, mas também pela abertura, pela disponibilidade e até diria pela amizade que rapidamente conseguimos formar com todas as pessoas do ISCAP. Não posso deixar de nomear três pessoas em particular, o Professor Salvador, o Professor Armando e o Professor Firmino, que são as pessoas que estão mais próximas de nós e com as quais temos mais contacto. Para além de serem excelentes formadores, estão sempre disponíveis para nos ajudar e essa flexibilidade é, sem dúvida, de salientar.

  • Como perspetiva a relação "Mundo empresarial - Mundo do ensino superior"?

Considero que essa relação jamais deixará de existir e que se irá fortalecer cada vez mais, exemplo disso mesmo é esta parceria que o grupo MCoutinho tem com a Porto Executive Academy/ISCAP. Sabemos que a formação das pessoas está muito assente em conceitos, que são transmitidos pela faculdade, e também naquilo que é uma boa integração das pessoas no mercado de trabalho. Naturalmente que, para isso, o ensino superior tem de ir acompanhando o mercado empresarial, pois só dessa forma é possível dar uma perspetiva diferente daquilo que é o mundo empresarial aos estudantes. Desde o início que sentimos isso com a PEA/ISCAP, ou seja, apesar de ser uma instituição de ensino e fornecer os conceitos teóricos necessários, sentimos que as pessoas têm uma visão muito prática daquilo que é o mercado económico.

  • Perante um mercado de trabalho de profissionais com um grau de formação cada vez mais elevado, que competências serão mais valorizadas na hora do recrutamento?

Naturalmente que o perfil depende muito da função que estamos a contratar, no entanto, existem competências transversais que procuramos sempre nos candidatos, nomeadamente a proatividade, a capacidade de trabalho em equipa, a orientação para o cliente e para os objetivos, entre outros. Eu diria que, sobretudo, procuramos pessoas com bom carater, que queiram crescer, que nos ajudem a crescer e que nos ajudem, também, a pensar um bocadinho fora da caixa. Acima de tudo procuramos boas pessoas, pois o grupo MCoutinho é feito de pessoas fantásticas.

Autor

gcrp

Partilhar