Entrada > Notícias > Diretor da Pós-Graduação em Direção Financeira

Diretor da Pós-Graduação em Direção Financeira

PEA

Professor Ricardo Bahia Machado


· Qual a importância da Pós-Graduação em Direção Financeira?

Dotar os atuais e futuros gestores financeiros de novas competências num mercado mais competitivo e globalizado.

De facto, o gradual e inescapável processo de globalização dos mercados internacionais é um dos maiores desafios que os decisores empresariais enfrentam. Este processo materializou-se, sobretudo, numa envolvente mais complexa e em permanente mutação, geradora de forte incerteza e traduzindo-se no aumento significativo dos riscos inerentes à condução dos negócios.

A transversalidade da função financeira em termos organizacionais coloca em evidência o papel do gestor financeiro. O gestor financeiro atual desempenha um papel fundamental e está, de facto, no centro do processo de tomada de decisões estratégicas empresariais.

Perante novos e crescentes desafios e oportunidades, os gestores de topo encaram os gestores financeiros como os fornecedores de informação atempada e independente e que promovem um processo de tomada de decisão menos complexo e intempestivo. Informação essa que sustenta a formulação de políticas de investimento, de financiamento e de remuneração dos detentores de capital, sob o desígnio da criação de valor, no crescimento sustentável e na consequente aquisição de vantagens competitivas num mercado fortemente concorrencial. 

· O que motivou a criação deste curso?

Este curso de pós-graduação foi planeado para preencher lacunas que se têm vindo a evidenciar na área financeira, quer em termos empresariais, quer na área dos mercados – e em que o preocupante nível nacional de literacia financeira é disso um reflexo –, através da deteção de novas competências de gestão fundamentais e da necessária atualização de antigos conceitos e das práticas empresariais, que estiveram na base inicial de formação dos gestores/executivos.

Como referi, a atual envolvente dos negócios trouxe novos desafios e oportunidades e que, pela sua configuração, eminentemente disruptiva, exigem uma adaptação rápida a novas tecnologias e sistemas informação, na era da revolução digital, assim como, o trabalho com uma rede colaborativa e complexa de stakeholders, originando, por exemplo, necessidades de adaptação dos seus mecanismos de governo empresarial e a redefinição do conceito de maximização do valor.

· Quais os principais conteúdos que serão abordados e de que forma?

O curso abordará, de forma transversal e integral, as tarefas e responsabilidades que deverão conformar o perfil do gestor financeiro nos dias de hoje, que, como antes referi, são bastante abrangentes e diversificadas.

Não há unidades curriculares encaradas como principais. Todas elas são fundamentais para que se alcancem os objetivos iniciais deste curso.

O curso funciona num regime modular, com unidades curriculares repartido por três trimestres (com um período inicial de harmonização de conhecimentos), e abordará um conjunto de temáticas relacionadas com a função financeira, desde as mais tradicionais àquelas que, por imperativos do mercado e pela mudança de paradigma no mundo dos negócios, até há bem pouco tempo não integravam os curricula dos cursos de formação superior nesta área e que incidem, sobretudo, na conformação dos sistemas de governo e de responsabilidade social empresariais a um público-alvo mais consciencializado e exigente, bem como na capacidade de empregar novas metodologias de análise de dados em massa, facilitada por inovadores sistemas de informação de suporte à tomada de decisão empresarial.

As metodologias utilizadas concentram-se, quase sempre e numa fase inicial na exposição teórica dos conteúdos, mas, posteriormente, serão completadas com métodos mais práticos, orientados para a ação e interação formador/formandos e de acordo com a realidade organizacional destes últimos. Assim, entre outras metodologias, serão utilizados estudos de caso, workshops e seminários temáticos, business games, action learning.

· Quais foram os critérios usados para selecionar o corpo de formadores do curso?

O curso foi elaborado pela PEA, com a colaboração direta da Deloitte e da IMF, procurando encontrar um equilíbrio entre formadores com larga experiência no mundo dos negócios e aqueles que, por excelência, dispõem de competências nas metodologias e nas técnicas de ensino mais recentes.

Procurou-se, assim, que, no âmbito da função financeira e na área da gestão, o grupo de formadores fosse constituído por docentes do ensino superior, auditores e consultores empresariais, representantes de entidades financeiras, associações profissionais e de gestores de comprovada experiência.

· Por que razão é que o curso será uma mais-valia para os participantes?

Por tudo o que referi, este curso é não só importante para o enriquecimento das competências dos participantes com as práticas de gestão atuais e mais inovadoras na área financeira, como também, em termos gerais, para a transferência de conhecimentos inovadores nesta vertente para a comunidade empresarial envolvente e para a economia nacional.

 

Autor

gcrp

Partilhar